ESA - Agência Espacial Europeia aprova missão

Pedro Mota Machado: representante nacional da Ariel

Imagem artística do satélite Ariel a caminho do ponto de Lagrange L2

Imagem artística do satélite Ariel a caminho do ponto de Lagrange L2. Neste ponto o satélite está sempre escudado da luz do Sol

Fonte ESA/STFC RAL Space/UCL/Europlanet-Science Office

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.

O jornal Público, a RTP e a TV Europa foram alguns dos órgãos de comunicação social que noticiaram a missão Ariel, que segundo Pedro Mota Machado representa o início de uma grande aventura para a humanidade, nomeadamente para a caracterização das atmosferas de outros mundos, de exoplanetas que orbitam longínquas estrelas.

A missão espacial Ariel, aprovada pela Agência Espacial Europeia (ESA), irá estudar em detalhe as atmosferas de exoplanetas. Pedro Mota Machado, professor do Departamento de Física (DF) da Ciências ULisboa e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), é o representante nacional desta missão, que integra vários investigadores do IA, Ciências ULisboa e Universidade do Porto.

“Estamos a liderar um dos objetivos  da missão, que é a sinergia entre o estudo das atmosferas dos planetas do sistema solar e dos exoplanetas, e estamos envolvidos noutros objetivos como cálculos de suporte das velocidades radiais dos exoplanetas ou a ligação entre os exoplanetas e a sua estrela ‘mãe'”, explica Pedro Mota Machado, que reforça ser “bastante forte e interessante” a contribuição portuguesa na missão.

Esta é a primeira missão da ESA que se dedica à medição da composição química e das propriedades térmicas da atmosfera de cerca de 1000 exoplanetas gasosos e rochosos.

De acordo com o comunicado de imprensa emitido pelo IA,  a medição será possível através da observação de trânsitos ou ocultações,  recorrendo a uma técnica chamada  espectroscopia, que irá medir as ”impressões digitais” dos gases que compõem as atmosferas exoplanetárias. Estes dados permitirão estabelecer ligações entre composição química, formação e evolução dos planetas e o ambiente nos quais estes se formaram.

Uma das vertentes de especialização do IA é o desenvolvimento de ferramentas óticas de alta precisão e de processos de metrologia ótica, desenvolvido pela equipa de instrumentação do instituto e da qual fazem parte investigadores da Ciências ULisboa. Os conhecimentos e o trabalho desta equipa vão contribuir para os testes e calibração do telescópio Ariel, durante a sua integração nos vários laboratórios que constroem o instrumento. Manuel Abreu, investigador do DF Ciências ULisboa e do IA, é o responsável pela componente portuguesa de instrumentação da missão.

Portugal irá ainda contribuir para a componente industrial da missão,  financiada pelo programa Prodex. "A presença de Portugal na missão Ariel confirma que temos capacidade para estar presente em missões científicas que são fundamentais para a expansão do conhecimento do universo. Seja pela componente científica, através do IIA, seja na vertente industrial com a Active Space Technologies, o sector espacial português dá, mais uma vez, provas que está disponível para contribuir para a produção de conhecimento, para o desenvolvimento socioeconómico e a geração de riqueza", declara Marta Gonçalves, gestora de projeto da ESA, Portugal Space.

ACI Ciências ULisboa com Grupo de Comunicação de Ciência do IA
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas