Paleontologia virtual

Novidades evolutivas dos dinossáurios saurópodes

Spinophorosaurus nigerensis

Reconstrução de Spinophorosaurus nigerensis no ambiente em que viveu durante o Jurássico Médio e de acordo com esta investigação

Ilustração de Diego Cobo
Comparação entre a reconstrução previamente conhecida de Spinophorosaurus nigerensis e a reconstrução proposta neste estudo, na qual se podem apreciar as diferenças na verticalização do dorso e do pescoço
Comparação entre a reconstrução previamente conhecida de Spinophorosaurus nigerensis e a reconstrução proposta neste estudo, na qual se podem apreciar as diferenças na verticalização do dorso e do pescoço
Imagem cedida pelos autores

Uma inovação anatómica pode ser a chave na compreensão da evolução dos dinossáurios saurópodes, um dos grupos mais populares de dinossáurios, os maiores animais que caminharam sobre a terra, quadrúpedes, com uma cauda comprida e um pequeno crânio no final do pescoço, também comprido.

O paleontólogo da Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED) em Madrid, Espanha, - Daniel Vidal -, é o primeiro autor de “High browsing skeletal adaptations in Spinophorosaurus reveal an evolutionary innovation in sauropod dinosaurs”, assinado também por Pedro Mocho, investigador do Instituto Dom Luiz e antigo aluno de Geologia da Ciências ULisboa.

O estudo utiliza como base um esqueleto com cerca 13 metros de comprimento pertencente ao dinossáurio saurópode Spinophorosaurus nigerensis que foi escavado em 2007 no Níger, no contexto do projeto PALDES (Paleontología y Desarrollo), e que contou com a participação do Museu Nacional de História Natural e da Ciência da ULisboa.

Os palentólogos Ainara Aberasturi, José Luis Sanz e Francisco Ortega também assinam o artigo publicado em abril passado na revista Scientific Reports.

Este exemplar do Jurássico Médio (cerca de 170 milhões de anos) é um dos saurópodes primitivos mais completo e melhor preservado e encontra-se temporariamente depositado no Museo Paleontológico de Elche, em Espanha, para que possa ser estudado.

O estudo das capacidades de alimentação de novas espécies de saurópodes é particularmente difícil quando realizado diretamente sobre os restos fósseis preservados. O desenvolvimento da paleontologia virtual permitiu aos investigadores uma nova abordagem mediante a análise da reconstrução virtual destes animais.

A partir da utilização de técnicas avançadas de digitalização, os paleontólogos obtiveram modelos tridimensionais de muita alta resolução para cada um dos mais de 200 ossos do esqueleto e recriaram virtualmente este animal em vida.

Os autores deste trabalho acreditam que parte do êxito evolutivo deste grupo de animais está relacionado com alterações na cintura pélvica e que esse fator contribuiu para os converter nos animais de maior porte da Terra.

Características anatómicas, incluindo o sacro com encunhamento, que permitiram a Spinophorosaurus e outros dinossáurios saurópodes chegar a alimentar-se de vegetação de grande porte
Características anatómicas, incluindo o sacro com encunhamento, que permitiram a Spinophorosaurus e outros dinossáurios saurópodes chegar a alimentar-se de vegetação de grande porte
Imagem cedida pelos autores

“Surpreendentemente, o animal reconstruído virtualmente é muito diferente do esperado. Em lugar de ter uma coluna vertebral sub horizontal, o dorso e o pescoço encontram-se muito mais elevados que nas reconstruções prévias devido à disposição das vértebras sacrais. Estas vértebras em vez de terem uma disposição retangular apresentam um encunhamento de cerca de 20 graus que eleva as vértebras da cauda, bem como as do dorso e do pescoço. Em Spinophorosaurus este encunhamento é acompanhado pela presença de braços longos e de um pescoço flexível que o permitiam alimentar-se de vegetação a mais de sete metros de altura, posicionando o seu pescoço de forma semelhante às girafas atuais”, contam os autores do estudo.

Ao comparar o sacro de Spinophorosaurus com o de outros dinossáurios saurópodes, os cientistas também observaram que a maioria apresentava um sacro com encunhamento. “Somente aqueles saurópodes mais primitivos tinham sacros de perfil retangular. Isto indica que o encunhamento do sacro apareceu numa fase precoce da história evolutiva dos saurópodes, correspondendo a uma inovação chave no êxito evolutivo destes animais que passou desapercebida até aos dias de hoje”, concluem os autores do estudo.

Os primeiros saurópodes com sacros retangulares alimentavam-se de vegetação de porte médio. Os saurópodes que apresentam um sacro com encunhamento aproveitavam a vegetação de maior altura. Ao longo da história evolutiva dos saurópodes até à sua extinção há 66 milhões de anos, o sacro nunca perdeu este encunhamento, de modo que as formas mais evoluídas tiveram que modular a posição da sua cabeça mediante alterações no comprimento relativo dos seus braços.

História evolutiva simplificada dos dinossáurios saurópodes, mostrando o importante papel que teve o sacro durante a sua evolução
História evolutiva simplificada dos dinossáurios saurópodes, mostrando o importante papel que teve o sacro durante a sua evolução
Ilustrações de Diego Cobo

IDL com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Entrevista a Pedro Mocho

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas