Missão Gaia

O caso da nuvem molecular Orion A

Segundo lançamento de dados acontece em abril

Última Revisão —
Imagem da Orion A

A imagem mostra a densidade das estrelas observadas durante a exploração desta região do céu

ESA/Gaia/DPAC

“O nosso grupo na FCUL tem vindo a desenvolver um trabalho pioneiro na visualização destas enormes quantidades de dados: queremos tornar inteligível o inimaginável!”
André Moitinho de Almeida

A missão Gaia, lançada em 2013, dedica-se a observar estrelas - quase dois mil milhões. A sua finalidade é mapear a Via Láctea em 3D: mais de um milhar de milhões de estrelas já foram cartografadas. O primeiro lançamento de dados de Gaia ocorreu em 2016. O próximo acontece no próximo dia 25 de abril e corresponde à primeira entrega com distâncias, velocidades e vários outros parâmetros astrofísicos para a maioria das estrelas.

“Vão ser quase 1.7 biliões (1.7 mil milhões) de estrelas. É impossível imaginar!”, comenta eufórico André Moitinho de Almeida, professor do Departamento de Física e coordenador do grupo português na missão Gaia.

A missão Gaia permite determinar posições e velocidades de estrelas com uma exatidão sem precedentes. “Podemos, usando as medidas de estrelas que estão à frente (e também das poucas que que se conseguem ver por detrás de algumas regiões mais transparentes destas nuvens) determinar as distâncias a que se encontram”, conta André Moitinho de Almeida, acrescentando que “estas nuvens não são totalmente opacas em toda a sua extensão e podemos em certas zonas ver os movimentos das estrelas no seu interior, revelando aspetos da estrutura e dinâmica dos processos coletivos de formação estelar”.

As zonas escuras são nuvens moleculares que contêm a matéria que pode dar origem a novas estrelas.

Recentemente, a ESA divulgou uma densa nuvem de gás e poeira na constelação de Orion, que corresponde a um aglomerado de estrelas próximo da famosa Nebulosa Orion, M42. Esta imagem é baseada em dados da primeira versão do satélite Gaia e mostra a densidade das estrelas observadas durante a exploração daquela região do céu.

Para André Moitinho de Almeida, “o caso da nuvem molecular Orion-A é muito interessante”, já que diz respeito “a uma das grandes regiões de formação estelar mais próxima da Terra e que tem proporcionado grande parte do conhecimento referente à formação estelar”.

Nos primeiros mapas os cientistas identificaram um gato, mas a identificação do animal tem sido controversa, brinca André Moitinho de Almeida a esse propósito.

Imagem da Orion A
As fotografias de Orion A já têm mais de 7 mil likes no Instagram da ESA
Fonte ESA

 

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

Páginas