Spin-off da Ciências ULisboa financiada pela Portugal Ventures

Maria Helena Garcia e Andreia Valente desenvolvem medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos

cientista ao microscópio

A Something in Hands visa desenvolver novos medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos

Ciências ULisboa

A call INNOV-ID foi concretizada através de um fundo de capital de risco gerido pela Portugal Ventures, em parceria com a ANI - Agência Nacional de Inovação, com a PME Investimentos e a Startup Portugal, com tickets a variar entre um valor mínimo de 50 mil euros, até ao máximo de 100 mil euros. A Portugal Ventures recebeu 117 candidaturas em apenas um mês. Estas candidaturas foram apresentadas num esforço conjunto entre os empreendedores/investigadores e os Ignition Partners Network da Portugal Ventures, rede da qual o Tec Labs – Centro de Inovação da Ciências ULisboa faz parte.

O programa INNOV-ID foi lançado em 2020 com o objetivo de promover o acesso ao financiamento de capital de risco para projetos de âmbito científico e tecnológico, nas fases de Pre-seed, Seed ou Early-Stage. Os projetos elegíveis já estavam a desenvolver tecnologia, mas ainda em fase de protótipo, prova de conceito ou validação de produto/mercado.

Maria Helena Garcia, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e Andreia Valente, investigadora do DQB Ciências ULisboa, lideram A Something in Hands – Investigação Científica, Lda, uma spin-off desta Faculdade, criada em janeiro de 2021 e que recebeu 100 mil euros da Portugal Ventures, na sequência do financiamento obtido através da Call INNOV-ID da Portugal Ventures para promover o acesso ao financiamento de capital de risco a projetos de âmbito científico e tecnológico.

A Something in Hands visa desenvolver novos medicamentos para o tratamento dos cancros metastáticos, em particular do cancro da mama triplo negativo (TNBC), o mais agressivo de todos os tipos de cancro da mama e para o qual ainda não existe um tratamento específico ou eficaz.

O medicamento que está a ser desenvolvido por estas cientistas no âmbito do projeto RuPharma está em processo de obtenção de prova de conceito sobre a sua eficácia contra metástases de cancro da mama triplo negativo. A prova de conceito do precursor do fármaco já foi obtida com extrema eficácia contra metástases nos principais órgãos - coração, pulmão, fígado e rins - e redução do tumor principal em metade do volume. O medicamento destina-se ao mercado mundial. Em 2018 os custos com terapias para o cancro da mama rondavam os 16.228 milhões de dólares (cerca de 13.473 milhões de euros).

“É uma nova empresa focada no desenvolvimento de metalofármacos inovadores para terapia dirigida ao cancro. A nossa principal área de atuação são os cancros metastáticos, para os quais ainda há poucas, e muito limitadas, opções terapêuticas. O investimento da Portugal Ventures vem contribuir para o desenvolvimento do nosso projeto de cancro da mama triplo negativo, que já se encontra em fase de consolidação da prova de conceito de um dos nossos metalofármacos protegidos por uma patente internacional”, contam as cientistas.

O principal problema associado ao tratamento destes tipos de cancro deve-se à ineficácia dos fármacos contra as metástases. A ocorrência de metástases está associada à alta mortalidade por cancro. A descoberta de um fármaco eficaz para o tratamento das metástases constitui uma grande revolução na quimioterapia.

"O investimento da Portugal Ventures vem contribuir para o desenvolvimento do nosso projeto de cancro da mama triplo negativo, que já se encontra em fase de consolidação da prova de conceito de um dos nossos metalofármacos protegidos por uma patente internacional”
Maria Helena Garcia e Andreia Valente

ACI Ciências ULisboa com Tec Labs
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt