Opinião

Colégio ULisboa POLAR2E

Reunião de arranque do Colégio POLAR2E

Gonçalo Vieira

Ciências ULisboa participa neste colégio com três centros de investigação: cE3c, IDL e MARE. A Faculdade está representada na Coordenação por Ricardo Trigo e na Comissão Científica por Emanuel Dutra, Vanda Brotas e Cristina Branquinho. O colégio dispõe ainda de uma Comissão Científica Internacional.

O lançamento do Colégio de Ciências Polares e de Ambientes Extremos (POLAR2E) ocorreu a 6 de março no Salão Nobre da Universidade de Lisboa (ULisboa). A reunião de arranque deste colégio decorreu uns dias antes, a 2 de março de 2020 em Ciências ULisboa.

O POLAR2E tem como objetivo criar sinergias entre equipas de investigação de excelência da ULisboa (IGOT, Ciências e Técnico) em áreas como as ciências da criosfera, a modelação climática, a ecologia de ambientes extremos, a deteção remota, a construção em ambientes extremos, a astrobiologia e a engenharia aeroespacial dentro da Universidade.

Uma das áreas estratégicas do POLAR2E é o estudo dos ecossistemas em ambientes polares e outros ambientes extremos como zonas áridas e zonas metalíferas onde a vida é altamente limitada pela disponibilidade hídrica e pelo excesso de metais, respetivamente.

Nesta área científica, pretendemos estudar e modelar os padrões de biodiversidade nestes ambientes extremos que estão sujeitos a uma rápida mudança global. A informação anterior permitirá construir indicadores globais dos efeitos destas mudanças nos ecossistemas de forma a rastrear o seu estado de saúde e avaliar a sua capacidade de fornecer diversos serviços de ecossistema à humanidade, como é o caso da regulação climática.

Outra área importante que vai ser abordada no âmbito do POLAR2E é a da modelação climática das regiões polares que são caracterizadas por algumas das taxas de aquecimento mais elevadas registadas nas últimas décadas.

Em particular a Península Antártica e todas as regiões polares acima do círculo polar Ártico registaram aquecimentos da ordem dos 30C nas últimas quatro décadas. Avaliar a resposta do fitoplâncton marinho às atuais condições de degelo por aquecimento oceânico é crucial para compreender o impacto das alterações climáticas na rede trófica marinha, bem na capacidade do oceano para fixar e sequestrar CO2 através da “bomba biológica do carbono”.

Perceber melhor os diferentes mecanismos de feedback positivo responsáveis por estes valores tão elevados é essencial para se modelar corretamente o clima da Terra.

Nota da redação:
Durante a cerimónia de apresentação do POLAR2E foi lançado ainda o Colégio Tropical (CTROP).

Cristina Branquinho e Ricardo Trigo, professores Ciências ULisboa; Catarina Guerreiro, investigadora MARE Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt