Escola Secundária Matias Aires em Ciências ULisboa

A visita começou com uma aula sobre o funcionamento dos microscópios eletrónicos e a preparação das amostras

ACI Ciências ULisboa

Cerca de 45 alunos da Escola Secundária Matias Aires, em Agualva Cacém, visitaram Ciências ULisboa, no dia 14 de fevereiro. Durante a manhã conheceram o Microscópio Eletrónico de Varrimento e à tarde participaram na palestra "Imagem Médica: Como a Física permite ver o interior do corpo humano".

Patrícia Vicente, Rómulo Kaidussos e Leinira Cabral, estudantes do 11.º ano do curso de Ciências e Tecnologia daquela escola acharam as atividades muito interessantes. Só Rómulo Kaidussos conhecia a Faculdade havendo participado no Verão na ULisboa. Também ele já sabe o que quer seguir: Astrofísica. Qualquer um deles considera a experiência importante e muito útil. “Ajuda as pessoas que estão indecisas a terem uma ideia do que podem vir a fazer no futuro”, conclui o jovem.

C1
“Já tive alunos que me disseram que escolheram a Faculdade porque assistiram a uma palestra”, conta Nuno Matela
Fonte ACI Ciências ULisboa

“Gosto muito desta interação. Acho que é mais interessante do que outras iniciativas para um público mais alargado. Permite um contacto mais próximo com aqueles que estão mesmo interessados”, comenta Nuno Matela, professor do Departamento de Física e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica de Ciências ULisboa. O orador da palestra “Imagem Médica: Como a Física permite ver o interior do corpo humano” tem tido vários pedidos e esta semana vai a apresentar o tema a uma escola. O objetivo da bolsa de palestras é cativar os alunos e despertar o interesse, dessa forma ficam informados quanto ao que podem aprender na Faculdade. “Já tive alunos que me disseram que escolheram a Faculdade porque assistiram a uma palestra”, conta Nuno Matela.

Arminda Costa, Ana Paula Valentim e Margarida Pessoa são professoras na Escola Secundária Matias Aires e concluíram as suas licenciaturas em Ciências ULisboa. Dão aulas há mais de 20 anos. O balanço do dia é muito positivo.

Laboratório
As visitas duram cerca de duas horas. No laboratório os alunos experimentam o microscópio eletrónico de varrimento
Fonte ACI Ciências ULisboa

Arminda Costa sempre quis ser professora. Adorou estudar nesta Faculdade. Todos os anos visita com os seus alunos o Microscópio Eletrónico de Varrimento. “Na escola estamos muito limitadas”, diz. Neste dia ficou fascinada com a palestra de Nuno Matela. “Aprendi imenso”, revela.

Ana Paula Valentim inaugurou o C1. Dá aulas há 29 anos. A professora também costuma participar com os seus alunos no Dia Aberto. “É útil… Abre horizontes e perspetivas em termos de escolhas futuras. Além disso ficam a conhecer melhor o espaço e o que se faz na Faculdade em termos de trabalho de investigação”, refere.

Margarida Pessoa recorda os tempos passados em Ciências ULisboa com entusiasmo: “Foi ótimo, muito enriquecedor. Tínhamos uma turma excelente e até chegamos a publicar”. A docência sempre foi uma vontade. Gostou imenso da visita e acha que os estudantes ficaram muito interessados. “Os alunos precisam de definir objetivos e perceberem que as matérias poem ser difíceis e complexas, mas que se se empenharem não são assim tão difíceis”, diz.

Telmo Nunes trabalha desde 2001 no Departamento de Biologia Vegetal de Ciências ULisboa. Têm sempre muitas visitas ao Laboratório, que duram cerca de duas horas. “Este mês temos três visitas por semana”, conta. A atividade começa com uma aula sobre o funcionamento dos microscópios eletrónicos e a preparação das amostras.  O laboratório funciona num regime de prestação de serviços. Fazemos principalmente trabalho de investigação. Trabalhamos com as Faculdades de Medicina Veterinária, Farmácia. Também trabalhamos com os nossos Departamentos de Geologia e Biologia. Damos apoio a aulas de mestrado e também prestamos serviços para fora”, conclui Telmo Nunes.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Visitas a Ciências