Young Creators 2018

Bio Hacking

Ciências colabora com o módulo Bio Hacking na iniciativa Young Creators 2018. Esta é a segunda vez que a Faculdade integra o projeto

Tec Labs

Destinado a jovens dos 15 aos 25 anos, o programa Young Creators é organizado anualmente pelo FabLab Lisboa — Laboratório de fabricação digital e prototipagem -, com o objetivo de apoiar a criatividade e o desenvolvimento de novos projetos colaborativos através de acesso a equipamentos e conhecimento.

Ciência e arte juntam-se para desenvolver o pensamento crítico e criativo dos participantes.

Na edição de 2018 que começou a 2 de abril e termina amanhã, dia 6 de abril, no Mercado do Forno do Tijolo, em Arroios, são  cinco os módulos desenvolvidos: Fabricação Digital, Robótica e Programação, Textile Hacking e Wearables e Bio Hacking.

O  módulo de Bio Hacking foi ministrado pelos Bugworkers - laboratórios de suporte do Tec Labs - Centro de Inovação de Ciências. No total, neste módulo, participaram 20 estudantes.

Raquel Nogueira, aluna do 2.º ano do mestrado em Microbiologia Aplicada de Ciências, decidiu participar porque “poderia obter mais ferramentas e introduzir protocolos que ainda não conhecia, nomeadamente na área de sequenciação. No fundo, para complementar a formação”.

De acordo com o site da iniciativa, no Bio Hacking trabalham-se diferentes áreas - Biotecnologia, Ambiente, Biodesign e Bioarte, sendo que o objetivo dos investigadores que integram este projeto é o da aplicação da Biologia na resolução de problemas do dia-a-dia. Os formandos realizam experiências e aprendem a criar máquinas e utensílios para usar nas suas atividades - assim como novos materiais e experiências.

“A ideia é exatamente dar competências, ferramentas, para que os participantes possam de forma autónoma fazer as suas próprias experiências e a sua própria exploração e também dar conhecimento sobre os próprios processos. No caso de Bio Processos os alunos têm capacidade de desenvolver experiências, como por exemplo, produzir bebidas fermentadas, eletricidade a partir de lama ou resíduos orgânicos. Em Genómica terão a capacidade de perceber que microrganismos existem nessas lamas, nas árvores, no solo. Na Bioarte têm a possibilidade de usar bactérias par criar canvas, telas, usando material biológico e vivo. Temos um leque diversificado de atividades”, informa Ricardo Dias, investigador  do BioISI - Instituto de Biossistemas Ciências Integrativas.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt