Do incêndio da Politécnica aos C´s

A “outra” Faculdade

Para os mais novos, o “fogo na Politécnica” é apenas uma história que ouviram contar. Para os mais velhos foi um pesadelo por que passaram, uma dor pela perda e uma angústia pelo desconhecido

Rui Santos, aluno do 3.º ano de Biologia, ano letivo 1977/1978
Rosto de Maria Amélia Martins-Loução
Maria Amélia Martins-Loução
Imagem cedida por MAML

Passaram 40 anos do incêndio da “outra” Faculdade. São já poucos os que vivenciaram, alguns os que ficaram marcados. Para os mais novos, o “fogo na Politécnica” é apenas uma história que ouviram contar. Para os mais velhos foi um pesadelo por que passaram, uma dor pela perda e uma angústia pelo desconhecido. Como esquecer as correrias entre o que restava da Politécnica, a 24 de Julho e os edifícios do Campo Grande? A dispersão e o afastamento foi marcante. Não sei o que custou mais: se o cansaço para motivar e dar alento aos estudantes, se a solidão por perda de identidade da Faculdade de Ciências. Cada grupo procurou arranjar o seu espaço, resolver o seu problema e assegurar a sobrevivência da sua investigação.

Em 40 anos construímos uma nova identidade e relançámos a marca FCUL: com força e determinação conseguimos ser como Fénix e renascer das cinzas. Com muito suor e lágrimas fizemos uma Escola que se orgulha do seu campus, com condições laboratoriais adequadas a uma leccionação e investigação moderna, com um corpo docente e não docente que pensa em termos de escola.

Somos actualmente uma pequena árvore, viçosa, resiliente à poluição, com algum raizame profundo que nos permite resistir a invernias e tempestades. Mas a manutenção não pode ser descurada: obras de conforto (elevadores, climatização de salas), remodelação de infraestruturas de rede (audiovisuais em salas e laboratórios, wi-fi contínuo, videoconferência), são pequenos e eternos ajustes que engrandecem a imagem.

Sem saudosismos e com lucidez devemos manter viva a memória da “outra” Faculdade. Sem complexos e com orgulho devíamos, também, saber manter vivas as ligações com a “Politécnica”.

Nota de redação: A autora não segue o atual Acordo Ortográfico.

Maria Amélia Martins-Loução, professora do Departamento de Biologia Vegetal de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Chamas na Politécnica – 1978