Há um novo laboratório de investigação em Biologia no C1

A inauguração do novo laboratório do edifício C1 decorreu no passado dia 14 de dezembro

cE3c

A inauguração do novo laboratório do edifício C1 - liderado por Sara Magalhães, investigadora do cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais e docente do Departamento de Biologia -,  decorreu no passado dia 14 de dezembro. O acontecimento surge na sequência da atribuição à investigadora Sara Magalhães de uma Consolidator Grant do European Research Council (ERC) no valor de dois milhões de euros em finais de 2016 para estudar um problema fundamental em Ecologia e Evolução: como é que a competição entre organismos molda a evolução das espécies?

 “Neste laboratório vamos ter condições controladas, mais recursos, o que nos permite melhorar o nosso desempenho como investigadores e a qualidade do trabalho desenvolvido. Estou orgulhosa com o resultado alcançado especialmente porque foi obtido através do esforço e trabalho de equipa.”
Inês Santos, técnica do laboratório

No âmbito do projeto "COMPCON - Competição sob construção do nicho", com financiamento do ERC até 2021, Sara Magalhães e a sua equipa vão explorar um sistema biológico composto por duas espécies de ácaro aranha,Tetranychus urticae e Tetranychus ludeni, que competem por um alimento - a planta do tomate.

Estes ácaros aranha alteram as defesas da planta do tomate de formas opostas quando se alimentam; o conjunto de experiências que Sara Magalhães está a desenvolver vai permitir perceber como é que esta alteração do ambiente condiciona a evolução destas duas espécies competidoras, ao longo de muitas gerações.

“O novo laboratório vai permitir crescer uma grande quantidade de plantas simultaneamente em condições controladas e, deste modo, manter populações de ácaros aranha em diferentes condições ambientais. Vou poder aumentar a escala das minhas experiências e assim, tentar responder a mais perguntas, mais ambiciosas.”
Diogo Godinho, estudante do Programa Doutoral BIODIV - Biodiversidade, Genética e Evolução

O novo laboratório custou mais de 250 000€, inclui novas e melhores incubadoras que permitem controlar as condições de temperatura e humidade de forma mais precisa, e mais espaço para plantar tomate e outras plantas necessárias às suas experiências.

O financiamento assegurado pelo ERC para os próximos anos vai também permitir continuar a assegurar as bolsas e contratos dos investigadores do grupo, bem como contratar novos recursos humanos: “Temos três novos técnicos de laboratório, e teremos uma nova investigadora de pós-doutoramento. Além disso permitiu manter as pessoas do meu grupo, que são excelentes!”, refere Sara Magalhães.

“Mais pessoas vão poder trabalhar em simultâneo, em projetos mais ambiciosos. É sem dúvida uma altura muito excitante para qualquer membro do Mite Squad!"
Leonor Rodrigues, investigadora de pós-doutoramento

Marta Daniela Santos, cE3c com ACI Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt