Estradas ameaçam milhões de aves e mamíferos na Europa

Clara Grilo pretende assinalar com maior eficácia os segmentos de estradas que devem ser sujeitos a medidas de mitigação

unsplash - Michael Coury

Cerca de 194 milhões de aves e 29 milhões de mamíferos podem ser atropelados por ano nas estradas europeias, de acordo com a estimativa de uma equipa internacional de investigadores liderada por Clara Grilo, investigadora do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), polo da Ciências ULisboa, com sede na Universidade de Aveiro. Os resultados estão publicados na revista científica Frontiers in Ecology and Environment.

“Queríamos conhecer as espécies mais afetadas pelas estradas na Europa e mapear as áreas onde as estradas podem ser uma ameaça para as aves e mamiferos na Europa. Fizemos uma compilação dos estudos com registos de atropelamentos na Europa e desenvolvemos modelos para estimar o número de atropelamentos de espécies não estudadas e identificar quais as espécies vulneráveis à extinção local devido às estradas”, afirma Clara Grilo.

Carla Grilo com animal junto a uma estrada
A investigadora Clara Grilo, em trabalho de campo, analisa um texugo (Meles meles) morto
Imagem cedida por CG

As taxas de atropelamento variam entre as diferentes espécies e os investigadores explicam porquê. “As aves e os mamíferos com menor tamanho corporal e com caracteristicas que os tornam mais abundantes apresentam maior número de registos de atropelamento. Por exemplo, os melros e os ouriços apresentaram taxas de atropelamento particularmente elevadas”, destaca a coautora Manuela González-Suárez, professora na Universidade de Reading, no Reino Unido.

A equipa verificou ainda que as espécies podem ser particularmente vulneráveis à extinção local, mesmo com poucos atropelamentos, se estes ocorrerem em baixas densidades tais como as águias e morcegos. “Isto significa que as estradas com o maior número de atropelamentos para aves e mamíferos não coincidem espacialmente com as regiões com o maior número de espécies potencialmente vulneráveis à extinção local devido às estradas”, destaca Clara Grilo.

A coordenadora do estudo destaca ainda a necessidade de ir mais além: “Do ponto de vista da conservação, precisamos de ir para além da quantificação do número de atropelamentos, e desenvolver modelos populacionais para identificar quais as espécies que podem estar em perigo de extinção devido à perda de indivíduos, o que permite assinalar com maior eficácia os segmentos de estradas que devem ser sujeitos a medidas de mitigação”.

Serviços de Comunicação, Imagem e Relações Públicas da Universidade de Aveiro com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt