Opinião

Um mundo cá dentro e outro lá fora

#COVID19 #EuFicoEmCasa

As sensações de segurança e proteção são necessidades psicológicas básicas e, por isso, a sensação de não as ter “no mundo lá fora” é geradora de tanta ansiedade

unsplash - Jan Tinneberg
Andreia Santos
Andreia Santos
Fonte ACI Ciências 

Se para algumas pessoas ter estado confinado à sua casa foi gerador de ansiedade, para outras é agora a ideia de sair de casa que começa a afigurar-se como pouco apelativa, desconfortável ou mesmo ansiogénica.

As razões para a ansiedade surgir agora são diversas, desde as mais óbvias, como a ideia de que lá fora é “onde está o vírus”, o perigo de contaminação e a incerteza quanto ao futuro, às menos óbvias, como o enfrentar de receios internos. Muitas pessoas foram tomando consciência destes pensamentos, mas muitas vezes a sentir que não são legítimos de serem partilhados. Podemos ter pensamentos como:  “sofro muito menos de stress ao trabalhar a partir de casa e por isso, não quero voltar”, “não senti grande necessidade de estar com os outros”, “senti-me aliviado por não ter de ir a compromissos que não queria e não conseguia dizer que não”, “sentia-me sempre tão ansioso no dia-a-dia, que finalmente comecei a sentir-me calmo e protegido”.

Estar em casa, da forma como se tem estado, pode surgir como o “único lugar” seguro, dando uma forte sensação de proteção. Em oposição, a ideia de sair torna-se ameaçadora. Esta é uma ideia que é preciso cuidar, para que não se torne avassaladora e angustiante no processo de retomar, no encontro entre o “mundo cá dentro” e o “mundo lá fora”.

As sensações de segurança e proteção são necessidades psicológicas básicas e, por isso, a sensação de não as ter “no mundo lá fora” é geradora de tanta ansiedade. Em resposta, o nosso organismo diz-nos “aqui é que estás bem”, no entanto, a longo prazo, pode criar-se um problema, pois ao evitar constantemente este “mundo lá fora” está-se simultaneamente a aumentar o medo (os níveis de ansiedade).  Assim, não se está a lidar com a realidade nem se criam oportunidades para se desenvolver mecanismos de adaptação à mesma.

Algumas reflexões úteis…

  • Quais as pequenas coisas (por exemplo, caminhadas, passeio com um amigo) que eu posso fazer para me ir ligando “ao mundo lá fora” de forma gradual, para que me vá sentindo cada vez mais confiante neste retomar?
  • No final, também podemos contar com a nossa adaptabilidade! As transições implicam rearranjos mas, se olharmos para a nossa história, possivelmente encontramos alguns exemplos que revelaram em nós recursos para acomodar esses processos de mudança.
Andreia Santos, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt