1.ª fase do projeto de requalificação

Reabertura do Jardim Botânico Tropical

Translocação de peixes executada por vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF

Última Revisão —

Tal como aconteceu em dezembro de 2018, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) realizou no final de 2019 a translocação de peixes. Este tipo de operação só deve ser realizada por investigadores ou técnicos do ICNF

César Garcia

O JBT integra o património da ULisboa desde 2015. Em 2018 o jardim teve perto de 150 mil visitantes. Após estas primeiras obras estão previstas outras. O programa de recuperação e beneficiação do JBT pode ser consultado no site da ULisboa. A Decoverdi venceu o concurso público, lançado pela ULisboa. A obra é fiscalizada pela Topiaris. O valor da empreitada é de cerca de um milhão 249 mil e 693 euros. Em breve, este jardim irá disponibilizar uma aplicação de apoio ao visitante, desenvolvida por uma equipa do Departamento de Informática da Faculdade, constituída pelos alunos de mestrado Rafael Torres e Stefan Postolache; e pelos docentes Ana Paula Afonso, Ana Paula Cláudio, António Ferreira, Maria Beatriz Carmo e Maria Dulce Domingos.

O Jardim Botânico Tropical (JBT) da ULisboa, classificado como monumento nacional, situa-se na zona de Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos e ocupa uma área total de cerca de sete hectares, integrando um parque botânico, especializado em flora tropical, com cerca de 700 espécies distintas e mais de 1500 espécimes. A 1.ª fase do projeto de requalificação deste jardim começou em janeiro de 2019. Este sábado, dia 25 de janeiro, o JBT reabre ao público.
 

O JBT volta a abrir portas ao público com atividades de caráter científico, educativo, cultural e de lazer, como é exemplo o programa deste fim de semana.

A 1.ª fase do projeto de requalificação do Jardim Botânico Tropical incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

Carpas, pimpões e outras espécies de peixes habitam no local atraindo a atenção de espécies de aves como a garça-real, garça-noturna e guarda-rios. O Jardim Botânico Tropical tem micro habitats, como se se tratasse de um habitat natural.

Vice Reitor da ULisboa no JBT
Em novembro de 2019, José Manuel Pinto Paixão, vice-reitor da ULisboa, acompanhou a translocação de peixes
Fonte César Garcia

Tal como aconteceu em dezembro de 2018, o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) realizou no final de 2019 a translocação de peixes. Este tipo de operação só deve ser realizada por investigadores ou técnicos do ICNF. Quer em 2018, quer em 2019 a atividade foi executada por vigilantes da natureza do Parque Natural do Vale do Guadiana do ICNF. Em novembro de 2019, José Manuel Pinto Paixão, vice-reitor da ULisboa, acompanhou a translocação de peixes, assim como César Garcia, antigo aluno da Faculdade, curador convidado da coleção de briófitos do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, investigador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), no grupo liderado por Manuela Sim-Sim, professora do Departamento de Biologia Vegetal, e que tem a seu cargo a gestão de dois jardins botânicos – o jardim Botânico Tropical e o Jardim Botânico de Lisboa. A Liga de Amigos deste jardim também esteve presente nesse dia.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt