Margarida Amaral premiada com Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award 2019

"O trabalho de investigação tem como fim mudar as vidas dos pacientes com fibrose quística”

A fibrose quística é uma doença genética hereditária rara que afeta cerca de 400 pessoas em Portugal, 75.000 em todo o mundo, segundo a Associação Nacional de Fibrose Quística

unsplash - Aditya Romansa

“A mensagem que eu gostaria de deixar, tanto para investigadores como para pacientes e familiares, é uma mensagem de esperança. Para os primeiros, esperança no sentido de acreditarem que o seu trabalho de fundo perseverante e focado na resolução de questões fundamentais pode efetivamente contribuir para fazer a diferença na vida daqueles que diariamente têm de enfrentar o peso físico e psicológico duma doença devastadora. Para os segundos, o apelo para manterem a ‘acesa a chama’ de esperança e confiança na ciência como o meio para as soluções que venham efetivamente a dar um novo rumo às suas vidas.”
​Margarida Amaral

Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), foi distinguida com o Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award 2019.


Margarida Amaral e Bob Emmelkamp durante o CF Science Appreciation Dinner
Imagem cedida por MA

O prémio foi entregue no passado dia 1 de novembro por Bob Emmelkamp, angariador de fundos e voluntário da US CFF- Cystic Fibrosis Foundation e um dos membros do Facebook News CF Research, durante o CF Science Appreciation Dinner, uma iniciativa integrada na North-American Cystic Fibrosis Conference (NACFC), e que teve lugar em Nashville, Tennessee, nos EUA, segundo comunicado de imprensa emitido pela Faculdade.

O primeiro CF Science Appreciation Dinner aconteceu há seis anos, nos EUA, durante a NACFC 2013, ocorrida no Utah. Margarida Amaral participa nestes jantares desde 2015. Este ano também esteve presente e a distinção foi uma surpresa.

O prémio Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award foi lançado em 2017 e visa homenagear durante o referido encontro os cientistas cuja missão é encontrar a cura para esta doença. O prémio recebeu o nome de dois cientistas pioneiros, cuja investigação inspirou inúmeras descobertas e avanços nesta área. John [Jack] Riordan e Paul Quinton e inclui um donativo em dinheiro para o laboratório do destinatário no valor de USD 1.333, que corresponde a cerca de €1203,13 euros.

“Este prémio significa muitíssimo a nível pessoal, pois de facto o trabalho de investigação que realizamos tem como fim último mudar as vidas dos pacientes com Fibrose Quística e suas famílias”, conta Margarida Amaral acrescentando que o facto de ser atribuído pelos pais e familiares de pacientes com fibrose quística dos EUA se torna ainda mais relevante. “Nós estamos aqui neste pequeno país, com muitas limitações e escassez de recursos a nível da investigação”, conclui.

A fibrose quística é uma doença genética hereditária rara que afeta cerca de 400 pessoas em Portugal, 75.000 em todo o mundo, segundo a Associação Nacional de Fibrose Quística. Pode atingir diferentes órgãos mas afeta principalmente os pulmões, intestino, fígado, pele e pâncreas.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt