Opinião

Centenário do eclipse solar total de 1919

A exposição E3 evidencia os cruzamentos entre ciência e sociedade na organização das expedições

ACI Ciências ULisboa

Ana Simões
Fonte ACI Ciências ULisboa

Hoje dia 29 de maio de 2019 celebra-se o centenário do eclipse solar total de 1919, observado em dois locais, na roça Sundy na ilha do Príncipe, atualmente parte da República de São Tomé e Príncipe e na pista do clube hípico, na cidade do Sobral, no Estado do Ceará, no Brasil.

Foram quatro as equipas que o observaram, mas apenas duas britânicas, uma em cada local, o fizeram com o propósito de testar uma das previsões da então recente teoria da relatividade generalizada de A. Einstein. As outras duas equipas, uma brasileira e outra americana, observaram-no no Sobral com objetivos científicos diferentes.

A exposição E3 acompanha os astrónomos britânicos A.S. Eddington, C.R. Davidson e A.C.C. Cromelin e o especialista em relojoaria E.T. Cottingham na sua longa viagem e observações.

Destaca o “encontro improvável” entre Einstein e Eddington, os preparativos das expedições em tempos de guerra, as peripécias das viagens, os sobressaltos das observações e o seu enorme impacto nas comunidades de astrónomos e no público em geral.

Reserva ainda um lugar às instituições e astrónomos de Lisboa. Não se cingindo às questões científicas, a exposição evidencia os cruzamentos entre ciência e sociedade na organização das expedições, em particular as ligações entre ciência e tecnologia, entre diversos espaços geográficos e impérios coloniais, entre política e até religião, evidenciando que o sucesso destas expedições dependeu de uma vasta rede de atores científicos e elites locais, mas também de participantes anónimos e audiências variadas.

A apresentação pública dos resultados, no dia 6 de novembro de 1919, numa reunião conjunta da Royal Society of London e da Royal Astronomical Society catapultou Einstein para o estrelato científico e a mestria de Eddington fê-lo elevar as expedições a exemplos por excelência da cooperação e internacionalismo científicos, acima de divisões políticas e de fricções nacionalistas.

Ana Simões, Departamento de História e Filosofia das Ciências de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt