Opinião

Uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes

Capa do livro de Rui Pita Perdigão

A Física na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém

Imagem cedida por RPP
Rui Pita Perdigão
Rui Pita Perdigão
Imagem cedida por RPP

Sinto-me muito feliz pelo acolhimento numa família académica tão ilustre e pelo reconhecimento académico e científico que tão distinta honra acarreta, em especial tratando-se de Física.

Tal como sucedera aquando do lançamento do meu instituto e outras distinções internacionais, uma vez mais são as mentes mais brilhantes e abertas, aqui os estimados membros da Academia de Ciências de Lisboa, a ter a visão e discernimento para apreciar o meu percurso altamente não linear bem como a nova área da Física que semeei na minha cátedra interuniversitária e que tenho vindo a nutrir científica e pedagogicamente ao longo dos últimos anos, dentro e fora do meio universitário.

Uma Física que na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém. Uma Física que derruba barreiras conceptuais e operacionais, que desmistifica a complexidade e eventos black swan, abrindo novos caminhos de análise, formulação, modelação e previsão de fenómenos até agora tidos por incompreensíveis, intratáveis ou imprevisíveis.

Uma Física que, mesmo na relativa juventude da bateria teórica fundamental que tenho vindo a desenvolver, já traz valor acrescentado aos serviços de instituições internacionais com a tutela da proteção do ambiente e da sociedade.

Uma Física que não se cansa de perguntar “porquê”, que nunca deixa de sonhar. Mas igualmente uma Física que não se fica pelo formalismo, mas que o também leva ao terreno e faz a diferença na vida das pessoas.

Uma Física que não se fecha sobre si mesma, mas que ouve e dialoga com as demais ciências sem perder o seu carácter de rigor formal, uma Física que coevolui no âmbito alargado das ciências naturais, sociais e tecnológicas de fronteira. Que não se limita a exportar métodos para as demais, mas também a desenvolver novos métodos com as demais.

Uma Física que não varre dificuldades e incertezas para debaixo do tapete da estatística, mas que se reforça matematicamente com tais desafios, ousando até formalizar a dinâmica da informação e da incerteza. Uma física que ousa conceptualizar e oferecer alternativas mais gerais às equações de Navier-Stokes para os fluidos, às de Schrödinger para a Mecânica Quântica, à teoria ergódica dos sistemas estocástico dinâmicos, fazendo nascer uma nova área formalmente mais coerente, robusta e abrangente.

E assim conseguir explicar, formalizar e prever o impensável em campos tão diversos como a emergência de entrosamentos quânticos poliádicos não lineares abrindo novas perspetivas na computação do futuro, e a emergência de novas tipologias de fenómenos hidro meteorológicos extremos em coevolução com o clima e a sociedade.

Uma Física que de tão simples e elegante me permite estabelecer pontes entre vários domínios ao ponto de orientar, numa estrutura formalmente coerente, alunos de doutoramento em áreas tão diversas como geometria diferencial, dinâmica de fluidos, física da informação, inteligência artificial, sistemas complexos... e bem ainda alterações climáticas, coevolução sócio natural e comunicação de ciência. À primeira vista pareceria uma Física que se dispersa. Na verdade, é apenas uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes, e com isso redescobrir-se a si mesma e à sua essência teórica mais fundamental.

Rui Pita Perdigão, alumnus Ciências ULisboa e fundador e professor titular da cátedra interuniversitária de Fluid Dynamical Systems
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Filipe Duarte Santos - Professor Catedrático e Jubilado do Departamento de Física e Director do SIM

Imagem de perfil de Maria Filomena Camões, professora do DQB-FCUL

Maria Filomena Camões, professora do Departamento de Química e Bioquímica da FCUL, assina um artigo sobre a criação do Instituto Nacional de Metrologia da Colômbia e a inauguração de um laboratório do qual é madrinha.

Guiomar Evans - Prof. Auxiliar do Departamento de Física e Investigadora do Centro de Física da Matéria Condensada

A missa do 30.º dia em memória de José Manuel Pires dos Santos, professor aposentado do Departamento de Informática da FCUL, realiza-se a 11 de setembro, pelas 19h00, na Igreja da Luz, em Carnide.

O professor José Manuel Pires dos Santos sentado em frente a uma secretária

Toda a morte, mesmo a anunciada, é uma surpresa. Um misto de espanto e de descrença como se não fosse possível acontecer.

As actividades da Semana Zero do DEGGE têm lugar nos dias 12, 13 e 14 de Setembro.

Bolsas Universidade de Lisboa / Fundação Amadeu Dias

Em cinco anos, a UL e a FAD apoiaram 134 projetos. A Faculdade de Ciências distingue-se com o maior número de alunos e respetivos trabalhos distinguidos, setenta.

Apresentações públicas do Programa de Doutoramento em Biologia

Apesar do próximo ano letivo começar já dia 17 de setembro, a FCUL ainda está a receber candidaturas de alunos interessados nos seus cursos pós-graduados.

Centro de Dados da FCUL

Tal como anunciado em julho, a modernização do Centro de Dados da FCUL foi realizada durante os meses de verão e está prestes a terminar.

Vela

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Fluxo de energia bancária

“O princípio de que aumentar o capital dos bancos favorece a estabilidade bancária, para além de estar errado, penaliza países como o nosso de forma ainda mais gravosa”, refere em entrevista Pedro Gonçalves Lind, um dos autores do regular article “The Dynamics of Financial Stability in Complex Networks”.

Os cidadãos estrangeiros abrangidos pelos programas “Erasmus Mundus” e “Ciência sem Fronteiras” podem ter autorização de residência em menos de 15 dias e direito à mobilidade no espaço da União Europeia.

Jardim

Através do sistema Concursos pode aceder a mais informações sobre o convite publicado no Jornal Oficial da União Europeia.

Vela

Aos familiares, amigos e colegas a FCUL apresenta as sinceras condolências.

Adultos e criança em atividade da Ciência Viva no Verão

Até 15 de setembro, a iniciativa Ciência Viva no Verão percorre o País organizando mais de 1700 atividades científicas gratuitas para toda a população. As inscrições permanecem abertas até 15 de setembro, de acordo com o calendário de atividades. Nesta altura, já são mais de 20 mil os inscritos.

Nos dias 9 e 10 de Agosto a plataforma Moodle da FCUL vai estar inacessivel devido a uma manutenção de rotina.

As nossas desculpas pelos possiveis incómodos causados.

Liliana Caldeira junto aos posters

A investigação sempre foi um objetivo, que ganhou força após o prémio para melhor poster ser-lhe atribuído numa importante conferência internacional. Até ao final do ano, Liliana Caldeira, aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica e Biofísica da FCUL, deverá defender a tese.

Pontos de interrogação

"Aquando da candidatura, o projeto estava numa fase embrionária e foi o Programa de Estímulo à Investigação da FCG que deu força e motivação para avançar”, diz Jocelyn Lochon, um dos vencedores da edição 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

Aluna entrevistada, sentada numa rocha

“O mais importante é saber gerir o tempo, ter alguma disciplina, definir os objetivos a alcançar e não dispersar”. A declaração pertence a Ana Bastos, jovem investigadora da FCUL e uma das vencedoras em 2011 do Programa de Estímulo à Investigação da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG).

Cara do aluno entrevistado

“Acredito que o meu projeto vá ter efeitos na área da Saúde Pública. Ainda que não seja já nesta fase, espero poder contribuir para evoluções, por exemplo, ao nível da vacinação”, refere Tomás Aquino, um dos vencedores da edição de 2011 do Programa de Estímulo à Investigação.

A Bial, procura um Bioestatista para a oportunidade de emprego que pode ser visualisada em maior detalhe na página através do link:

Information dissemination in unknown radio networks with large labels

Professor Shailesh Vaya,
Xerox Research Centre, India,

July 20 at 10h00 on room 6.3.38

Páginas