Opinião

Uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes

Capa do livro de Rui Pita Perdigão

A Física na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém

Imagem cedida por RPP
Rui Pita Perdigão
Rui Pita Perdigão
Imagem cedida por RPP

Sinto-me muito feliz pelo acolhimento numa família académica tão ilustre e pelo reconhecimento académico e científico que tão distinta honra acarreta, em especial tratando-se de Física.

Tal como sucedera aquando do lançamento do meu instituto e outras distinções internacionais, uma vez mais são as mentes mais brilhantes e abertas, aqui os estimados membros da Academia de Ciências de Lisboa, a ter a visão e discernimento para apreciar o meu percurso altamente não linear bem como a nova área da Física que semeei na minha cátedra interuniversitária e que tenho vindo a nutrir científica e pedagogicamente ao longo dos últimos anos, dentro e fora do meio universitário.

Uma Física que na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém. Uma Física que derruba barreiras conceptuais e operacionais, que desmistifica a complexidade e eventos black swan, abrindo novos caminhos de análise, formulação, modelação e previsão de fenómenos até agora tidos por incompreensíveis, intratáveis ou imprevisíveis.

Uma Física que, mesmo na relativa juventude da bateria teórica fundamental que tenho vindo a desenvolver, já traz valor acrescentado aos serviços de instituições internacionais com a tutela da proteção do ambiente e da sociedade.

Uma Física que não se cansa de perguntar “porquê”, que nunca deixa de sonhar. Mas igualmente uma Física que não se fica pelo formalismo, mas que o também leva ao terreno e faz a diferença na vida das pessoas.

Uma Física que não se fecha sobre si mesma, mas que ouve e dialoga com as demais ciências sem perder o seu carácter de rigor formal, uma Física que coevolui no âmbito alargado das ciências naturais, sociais e tecnológicas de fronteira. Que não se limita a exportar métodos para as demais, mas também a desenvolver novos métodos com as demais.

Uma Física que não varre dificuldades e incertezas para debaixo do tapete da estatística, mas que se reforça matematicamente com tais desafios, ousando até formalizar a dinâmica da informação e da incerteza. Uma física que ousa conceptualizar e oferecer alternativas mais gerais às equações de Navier-Stokes para os fluidos, às de Schrödinger para a Mecânica Quântica, à teoria ergódica dos sistemas estocástico dinâmicos, fazendo nascer uma nova área formalmente mais coerente, robusta e abrangente.

E assim conseguir explicar, formalizar e prever o impensável em campos tão diversos como a emergência de entrosamentos quânticos poliádicos não lineares abrindo novas perspetivas na computação do futuro, e a emergência de novas tipologias de fenómenos hidro meteorológicos extremos em coevolução com o clima e a sociedade.

Uma Física que de tão simples e elegante me permite estabelecer pontes entre vários domínios ao ponto de orientar, numa estrutura formalmente coerente, alunos de doutoramento em áreas tão diversas como geometria diferencial, dinâmica de fluidos, física da informação, inteligência artificial, sistemas complexos... e bem ainda alterações climáticas, coevolução sócio natural e comunicação de ciência. À primeira vista pareceria uma Física que se dispersa. Na verdade, é apenas uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes, e com isso redescobrir-se a si mesma e à sua essência teórica mais fundamental.

Rui Pita Perdigão, alumnus Ciências ULisboa e fundador e professor titular da cátedra interuniversitária de Fluid Dynamical Systems
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Páginas