Opinião

Uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes

Capa do livro de Rui Pita Perdigão

A Física na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém

Imagem cedida por RPP
Rui Pita Perdigão
Rui Pita Perdigão
Imagem cedida por RPP

Sinto-me muito feliz pelo acolhimento numa família académica tão ilustre e pelo reconhecimento académico e científico que tão distinta honra acarreta, em especial tratando-se de Física.

Tal como sucedera aquando do lançamento do meu instituto e outras distinções internacionais, uma vez mais são as mentes mais brilhantes e abertas, aqui os estimados membros da Academia de Ciências de Lisboa, a ter a visão e discernimento para apreciar o meu percurso altamente não linear bem como a nova área da Física que semeei na minha cátedra interuniversitária e que tenho vindo a nutrir científica e pedagogicamente ao longo dos últimos anos, dentro e fora do meio universitário.

Uma Física que na sua interdisciplinaridade e universalidade formal, é de todos e não é de ninguém. Uma Física que derruba barreiras conceptuais e operacionais, que desmistifica a complexidade e eventos black swan, abrindo novos caminhos de análise, formulação, modelação e previsão de fenómenos até agora tidos por incompreensíveis, intratáveis ou imprevisíveis.

Uma Física que, mesmo na relativa juventude da bateria teórica fundamental que tenho vindo a desenvolver, já traz valor acrescentado aos serviços de instituições internacionais com a tutela da proteção do ambiente e da sociedade.

Uma Física que não se cansa de perguntar “porquê”, que nunca deixa de sonhar. Mas igualmente uma Física que não se fica pelo formalismo, mas que o também leva ao terreno e faz a diferença na vida das pessoas.

Uma Física que não se fecha sobre si mesma, mas que ouve e dialoga com as demais ciências sem perder o seu carácter de rigor formal, uma Física que coevolui no âmbito alargado das ciências naturais, sociais e tecnológicas de fronteira. Que não se limita a exportar métodos para as demais, mas também a desenvolver novos métodos com as demais.

Uma Física que não varre dificuldades e incertezas para debaixo do tapete da estatística, mas que se reforça matematicamente com tais desafios, ousando até formalizar a dinâmica da informação e da incerteza. Uma física que ousa conceptualizar e oferecer alternativas mais gerais às equações de Navier-Stokes para os fluidos, às de Schrödinger para a Mecânica Quântica, à teoria ergódica dos sistemas estocástico dinâmicos, fazendo nascer uma nova área formalmente mais coerente, robusta e abrangente.

E assim conseguir explicar, formalizar e prever o impensável em campos tão diversos como a emergência de entrosamentos quânticos poliádicos não lineares abrindo novas perspetivas na computação do futuro, e a emergência de novas tipologias de fenómenos hidro meteorológicos extremos em coevolução com o clima e a sociedade.

Uma Física que de tão simples e elegante me permite estabelecer pontes entre vários domínios ao ponto de orientar, numa estrutura formalmente coerente, alunos de doutoramento em áreas tão diversas como geometria diferencial, dinâmica de fluidos, física da informação, inteligência artificial, sistemas complexos... e bem ainda alterações climáticas, coevolução sócio natural e comunicação de ciência. À primeira vista pareceria uma Física que se dispersa. Na verdade, é apenas uma Física que se abre ao mundo para estabelecer pontes, e com isso redescobrir-se a si mesma e à sua essência teórica mais fundamental.

Rui Pita Perdigão, alumnus Ciências ULisboa e fundador e professor titular da cátedra interuniversitária de Fluid Dynamical Systems
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Implicações no Quebramento do Gondwana e sua Correlação com as bacias da Margem Atlântico Sul e Atlântico Central

É crucial que estatísticos e investigadores em Ciências do Ambiente mantenham uma colaboração estreita, para que continuem a ser desenvolvidos métodos estatísticos e computacionais adequados que permitam dar resposta continuada aos desafios presentes e futuros.

Está disponível a edição de 2012 do JCR (Journal Citation Reports).

O trabalho de cinco investigadoras portuguesas foi distinguido no início de junho em Boston, nos EUA. O congresso mundial contou com mais de 800 cientistas de 50 países.

[Tec Labs]i – Potenciar a Inovação

“Os alunos da FCUL tiveram uma experiência única que não vão esquecer ao longo da sua vida académica e profissional”, denota Rui Ferreira, administrador do Tec Labs – Centro de Inovação da FCUL.

Visita de Estudo à nova Universidade de Lisboa

“[Viveu-se um ambiente] muito propício ao debate onde o intercâmbio de ideias e de boas práticas foram muito gratificantes e uma mais-valia para os participantes e oradores do evento”, declarou Luísa Cerdeira, pró-reitora da Universidade de Lisboa e presidente do FORGES.

Álvaro de Campos

TABACARIA

O Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (DI-FCUL) vai organizar a 3 de julho deste ano a primeira edição do 

“Eu sempre gostei de fazer desenho geométrico e sempre me interessei pelos azulejos e seus painéis e pela calçada portuguesa pela sua beleza, pela arte, e porque têm potencialidades científicas, estéticas e didáticas praticamente ilimitadas”, conta o investigador do Grupo de Física-Matemática, distinguido recentemente com o Prémio Abordagem Inovadora “SOS Azulejo 2012”.

As bibliotecas do C4 e C8 têm horários alargados durante a época de exames de 1 a 29 de Junho.

Mestrados DBA 2013-2014

Investigadores do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour”

A equipa do projeto “Climate Change Iniciative – Ocean Colour” esteve reunida na FCUL, nos dias 21 e 22 de maio. Os investigadores avaliaram as ações em curso e discutiram alguns assuntos com a comunidade de end-users.

Jorge Manuel Ribeiro Rezende galardoado com o prémio “Abordagem Inovadora”

Intervenção na cerimónia de entrega dos Prémios 'SOS Azulejo' 2012:

Sessões dias 24 e 25 de junho 2013

"Gás de Xisto"?! Sim? Não? Porquê? Como? Onde?

Cerimónia de escritura do Instituto do Petróleo e do Gás

A transferência de conhecimento e tecnologia para a sociedade faz-se mediante o reforço das relações entre as comunidades científica e empresarial. Para J. M. Pinto Paixão, diretor da FCUL, esta é a oportunidade ideal para constituir parcerias suportadas no conhecimento e no exercício de uma cidadania plena.

Acções de Formação em Geologia na FCUL / 2013

Departamento de Geologia da FCUL

Informações sobre o procedimentos de escolha de ramo na Licenciatura em Geologia, 2013-14, do Departamento de Geologia da FCUL.

Alunos de Estatística Aplicada da FCUL

Atualmente, o uso e a aplicação da estatística têm a sua razão de ser não apenas na legitimação da indução, mas também na possibilidade de incorporar a incerteza nas suas conclusões: outro testemunho da sua proximidade ao real.

 

O Departamento de Informática (DI), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), convida as empresas e instituições para o estabelecimento de Parcerias e a submeter propostas de trabalhos na área de Engenharia Informática e da Seguranç

Sessão de esclarecimento dia 31 de maio 2013, 11h, anfiteatro 2.4.16

Colocação por unidade curricular- informação atualizada

 

Conhece as reais causas das expulsões de 1947? Como eram as relações da Faculdade de Ciências com o Instituto Superior Técnico? Uma das últimas edições da FCUL procura responder a estas e a outras questões.

Páginas