Dia Internacional das Mulheres e Raparigas na Ciência

Mosaico de fotografias de 8 mulheres cientistas e logótipos da SPF e de Ciências ULisboa

Recordemos Glaphyra Silva Vieira, a primeira mulher assistente no Laboratório de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Nasceu em Lisboa a 24 de fevereiro de 1912 e faleceu em Lisboa a 20 de janeiro de 1995 com 82 anos. Licenciou-se em Ciências Físico-Químicas em 1937, tendo sido aprovada a sua contratação como assistente na sessão do Conselho Escolar de 12 de fevereiro de 1940 (em Ata).

Iniciou logo, a par da lecionação, a investigação em física nuclear no palpitante ambiente do eminente Centro de Estudos de Física da FCUL. Este Centro, criado de modo oficial em 1940, existia já na forma de um grupo de docentes que fazia investigação desde meados dos anos 20. Os seus maiores, no início dos anos 40, eram os professores Cyrillo Soares e Amorim Ferreira e os assistentes doutores Manuel Valadares, Aurélio Marques da Silva, Amaro Monteiro, Manuel Telles Antunes e os colegas Francisco Mendes, Armando Gibert e Lídia Salgueiro. Durante os seus anos na FCUL, Glaphyra conviveu ainda com Otília Guilhermina Trigo de Sousa, que dedicou muito do seu tempo em trabalhos de Raios X com Valadares no Instituto José Figueiredo, onde também privou com a bióloga Maria Ramos Valadares, assistente de Zoologia e Antropologia nos anos 1945-47. Privou também com Maria Augusta Perez Fernandez, matemática e geofísica, irmã do arquiteto Ignazio Perez Fernandez, que partilhava o atelier de arquitetura com o irmão de Glaphyra, Dário Vieira, e a assistente de Química da FCUL, Marieta da Silveira fez igualmente parte do seu núcleo geracional. A este grupo temos de acrescentar Maria Helena Blanc de Sousa, assistente no Laboratório de Física em meados da década de 40 e por certo a já sénior Doutora Branca Edmée Marques, primeira catedrática em Química.

Em 1946, o professor Cyrillo Soares comunica ao Conselho Escolar que Glaphyra “houve de abandonar as respetivas funções por não ter ainda adquirido o grau de Doutor”, mas considerando que as suas funções docentes foram “exercidas com muita competência, zelo e assiduidade; e considerando que a trabalhos de investigação científica se tem dedicado com persistente aplicação de que se esperam resultados interessantes” (Ata da Sessão de 23-5-1940), aquele professor propõe que lhe seja concedido o título de assistente extraordinária de Física.

Efetivamente, a sua investigação conduziu a publicações como:

  • Vieira, Glaphyra “Figures de distribution du depot actif sur des plaques metalliques”, Portugaliae Physica 3,1-4 (1947)
  • Vieira, Glaphyra “Spectres de raies positives et négatives du Ra (D+M+F)”. In Comptes Rendus de l’Académie des Sciences (1948)
  • Salgueiro, Lídia e Glaphyra Vieira. “Nouvelle détermination des intensités des groupes de structure fine de la transmutation AcC → ( α, γ) AcC”, Comptes rendus des séances de l’Académie des Sciences de Paris, 234 (1952): 1765-67. 

E mais tarde:

  • Francisco Mendes, Marieta da Silveira, Glaphyra Vieira, “A estrutura fina dos halos pleocróicos e a possibilidade da existência na natureza da família do neptúnio” in Garcia da Orta, vol 6, (1960) pgs 113-125. Este estudo tinha sido apresentado no XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, celebrado na cidade de Coimbra de 1 a 5 de Junho de 1956/ Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências. Coimbra: APPC, 1956. - Tomo V, 4ª secção-Ciências Naturais, 1ª subsecção-Mineralogia e Geologia, 2ª subsecção-Botânica, p. 131-136

Colaboradora ativa da Revista Gazeta de Física, desde o início em 1946, Glaphyra teve a seu cargo a rubrica sobre os Exames Universitários. Apresentava as resoluções dos exames de disciplinas da Secção de Física. Esta atividade manteve-se até 1955.

Era a sócia nº 179 da Sociedade Portuguesa de Matemática afiliação que quase todas as suas contemporâneas tinham para além da Sociedade Portuguesa de Química e Física (no Boletim Nº 1 da Sociedade Portuguesa de Matemática).

Em 1989 participou na cerimónia de Jubilação do professor José Gomes Ferreira, que teria sido seu aluno quando ela era assistente, proferindo um bonito testemunho que está publicado, com outros de colegas do seu tempo, como Helena Blanc, Maria Augusta Fernandez, num opúsculo financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian e pelo Instituto Nacional de Investigação Científica.

Era casada com o Engenheiro Paulo Augusto Ferreira de Lemos, Matemático e Engenheiro Geógrafo pela FCUL, um numismata de renome, que lhe sobreviveu. Glaphyra era irmã do arquiteto Dário Vieira e cunhada da escultora Constança Vieira. Teve dois sobrinhos e vários sobrinhos-netos.

Alguns dos dados foram gentilmente cedidos pela família.

No friso de entrada desta Nota temos para além de Glaphyra Vieira (em destaque) algumas das suas contemporâneas na Faculdade Ciências, da esquerda para a direita: Marieta da Silveira, química (1917-2004), Mª Helena Blanc, física (1921-2011), Mª Augusta Fernandez, matemática e geofísica (1921-2009), Lídia Salgueiro, física (1917-2009), Mª Ramos Valadares, bióloga (1904-1985), Branca Edmée Marques, química (1899-1986), Seomara Costa Primo, bióloga (1985-1986).

Nota coligida por:

Mª da Conceição Abreu (Física)

Paula Contenças (Bióloga)