Centro de Testes de Ciências

Fotografia do Centro de Testes de Ciências

O Centro de Testes (CT) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) é uma infraestrutura de investigação e desenvolvimento atualmente dedicada por inteiro à mitigação da COVID-19 através do rastreio do vírus SARS-CoV-2 e testes imunológicos.

 

 

O CT Ciências ULisboa está também envolvido em diversas iniciativas para o desenvolvimento de novas metodologias de diagnóstico e apoio à retoma económica, bem como ao desenvolvimento de medidas estruturantes para a monitorização de zoonoses emergentes, isto é, doenças ou infeções passíveis de serem transmitidas de animais para seres humanos.

Logótipo do CT Ciências ULisboa
Logótipo do CT Ciências ULisboa

Esta infraestrutura representa um dos vários investimentos da Ciências ULisboa no seu contributo para o esforço nacional na luta contra a pandemia COVID-19, resultado da participação multidisciplinar dos diversos centros e departamentos da Ciências ULisboa. Dispõe também de um elevado potencial para futura investigação em que sejam necessárias condições de segurança similares.

Fotografia do Centro de Testes de Ciências ULisboa

Localizado no edifício Tec Labs, iniciou atividade a 1 de maio de 2020. Encontra-se certificado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, tendo sido a segunda instituição universitária a nível nacional a ser certificada, e licenciado pela Entidade Reguladora da Saúde.

Testes

Número de testes de diagnóstico realizados (1 maio - 15 junho 2020): 2670
Capacidade máxima atual: 400 testes de diagnóstico/dia

As amostras são provenientes de várias entidades públicas e privadas, que operam nos sectores da saúde, educação e economia, cujo pedido de análise é emitido pelas entidades associadas ao Ministério da Saúde ou a outros Ministérios que estabeleçam protocolos de parceria com Ciências ULisboa.

Fotografia do Centro de Testes de Ciências ULisboa

Parceiros:

Segurança:

Estão asseguradas todas as condições de segurança para a comunidade da Ciências ULisboa:

  • A recolha direta de amostras biológicas não é realizada no CT Ciências ULisboa, embora a sua certificação assim o permitisse; no CT Ciências ULisboa são apenas rececionadas amostras previamente recolhidas por profissionais de saúde em hospitais ou clínicas;
  • Foi instalada sinalética específica no campus de forma a que as amostras biológicas deem entrada imediatamente no Tec Labs, não circulando por outros edifícios;
  • As amostras biológicas dão entrada diretamente a partir do exterior numa nova sala de segurança biológica, instalada no edifício de apoio ao Tec Labs, onde se procede à inativação e extração de RNA do vírus, tendo sido realizadas obras de adaptação do espaço para o efeito e adquirida uma infraestrutura de contenção biológica em conformidade com o nível de segurança de risco biológico 3 da Organização Mundial da Saúde.

Coordenação: Ricardo Dias.
Direção Técnica: Margarida Gama Carvalho.

Contacto do CT Ciências ULisboa: fightcovid@ciencias.ulisboa.pt.

 

#juntossomosmaisfortes

 

1.º Aniversário do Centro de Testes de Ciências

Centro de Testes de Ciências

No dia 1 de maio de 2021 fez exatamente um ano que o Centro de Testes de Ciências (CTC) recebeu o primeiro lote de 110 zaragatoas, provenientes de um conjunto de cinco lares de terceira idade do concelho de Mafra, no que viriam a ser os primeiros de várias dezenas de milhar de testes de diagnóstico molecular de COVID-19.

Nos dois meses que antecederam este dia, e em pleno confinamento geral, uma grande equipa de Ciências trabalhou arduamente para instalar de raíz um laboratório de segurança biológica de nível 3 no espaço que era o bar do edifício TecLabs, aprovisionar todas as obras, equipamentos, consumíveis e reagentes necessários, elaborar planos detalhados de operação e segurança, criar um sistema de gestão de informação, estabelecer e validar procedimentos laboratoriais e obter a sua certificação pelas autoridades competentes - Instituto Nacional de Saúde (INSA) e Entidade Reguladora da Saúde (ERS). Este arranque foi apoiado pela colaboração aberta de Instituições parceiras da ULisboa, onde se destacam a Faculdade de Farmácia e o Instituto de Medicina Molecular , pela partilha de procedimentos e amostras para a validação dos testes laboratoriais, e a Faculdade de Medicina Veterinária e o Instituto Superior de Agronomia, pelo empréstimo de equipamentos. O arranque das atividades de testagem só foi possível com o apoio de uma equipa de mais de 60 voluntários a quem aproveitamos para deixar o nosso mais profundo agradecimento., Vindos de dentro e fora de portas, das mais diversas áreas de atividade, suportaram  as inúmeras necessidades de recursos humanos que uma empreitada destas exige - desde a preparação do material de colheita até ao envio dos resultados. Um exército de generosidade, a grande maioria “filhos de Ciências” nalgum momento da sua vida, que foi treinado na linha da frente e se encaixou numa máquina de operação complicada, recebendo o nome carinhoso de “covid-fighters”. 

Desde esse dia 1 de maio, foram efetuados cerca de 1500 testes moleculares a utentes de lares, 4750 à comunidade ULisboa, e várias  dezenas de milhar de  testes para unidades de saúde,  particulares e empresas, estes últimos no âmbito do protocolo estabelecido com a SGS, que permitiu a criação de um posto de colheitas fixo e de um posto móvel, com a presença de uma equipa de enfermagem especializada. Estes testes permitiram identificar mais de 1000 casos de infeção por SARS-CoV-2, que foram assim devidamente acompanhados. Aos testes moleculares, acrescentam-se outros que foram também implementados no CTC: testes serológicos para deteção de anticorpos e testes rápidos de antigénio contra SARS-CoV, ou a co-deteção de Influenza A e B. Em paralelo, a aposta do CTC em atividades de investigação e desenvolvimento permitiu o estabelecimento de um conjunto de metodologias inovadoras para deteção de SARS-CoV-2, incluindo a análise de saliva, métodos de amplificação isotérmica colorimétrica, métodos de análise direta de amostra e métodos de deteção de variantes virais por PCR e por sequenciação em tempo real, criando um portfólio flexível e adaptável à evolução da situação pandémica. Esta capacidade de inovação suportou o arranque de inúmeros projetos paralelos com diversos parceiros. O CTC integrou desde o início o núcleo fundador que resultou na recém-criada Rede de Laboratórios Científicos para Situações de Risco e Emergências em Saúde Pública, mas quis ir ainda mais além na translação da capacidade instalada em Ciências para a comunidade. Nasceu assim o Projeto Famílias Seguras que, com o alto patrocínio de sua Excelência o Sr.  Presidente da República e o apoio financeiro de um conjunto alargado de parceiros privados com relevância nacional, em estreita ligação com a Associação Nacional de Cuidadores Informais, garante a monitorização semanal gratuita de agregados familiares com pessoas com incapacidade extrema. O know-how existente em Ciências foi ainda capitalizado no envolvimento ativo na vigilância de variantes de SARS-CoV-2 por sequenciação genómica em colaboração com o INSA, com mais de 400 genomas virais sequenciados. No meio de tudo isto, o CTC conseguiu estabilizar-se com uma equipa profissionalizada, garantir a automatização integral da sua operação com um conjunto de equipamentos únicos a nível Europeu, integrar a sua operação com um sistema de gestão de informação certificado, integrar com sucesso um programa internacional de certificação de qualidade organizado pela OMS. Em apenas 1 ano, o CTC passou de uma inquietação a uma realidade de aplicação diária das melhores práticas de conhecimento científico e inovação para o benefício da comunidade.

Ciências está de parabéns - juntos somos mais fortes!