Biodiversidade

No âmbito do seu programa de sustentabilidade, Ciências tem como um dos seus objetivos alertar a comunidade para o papel e importância da biodiversidade na sustentabilidade, em particular no contexto urbano. Embora com uma área verde limitada pelo desenvolvimento do tecido edificado, Ciências encontra-se associada a um conjunto de infraestruturas verdes próximas, com destaque para o corredor verde central da cidade de Lisboa em que o Jardim do Campo Grande constitui a infraestrutura verde de maior relevo.

As infraestruturas verdes prestam serviços de ecossistema essenciais em contexto urbano e a biodiversidade desempenha um papel-chave em todos os níveis da hierarquia de serviços do ecossistema, seja como um regulador dos processos ecossistémicos subjacentes, como um serviço final do ecossistema, ou como um bem valorizável, em termos económicos ou outros.

Um dos papéis da biodiversidade em contexto urbano é, por exemplo, o de bioindicador da qualidade do ar ou da água, e a biodiversidade associada a um determinado espaço verde reflete a qualidade ambiental numa área envolvente mais vasta.

A observação e monitorização da biodiversidade no campus de Ciências e nos espaços verdes envolventes, pretende-se assim desenvolver como um projeto aglutinador de toda a comunidade de Ciências, atuando como um instrumento de ensino, investigação, divulgação e coesão social.

As áreas verdes de Ciências têm sido utilizadas como instrumento de Ensino para os alunos de unidades curriculares dos ciclos de estudos na área da Biologia, permitindo igualmente monitorizar as variações anuais na composição e cobertura por espécies.

Aulas no relvado anexo à Torre do Tombo e no telhado verde do C5
Aulas no relvado anexo à Torre do Tombo e no telhado verde do C5

Evolução da cobertura por herbáceas no relvado anexo à Torre do Tombo
Evolução da cobertura por herbáceas no relvado anexo à Torre do Tombo

Espécies de herbáceas identificadas no relvado anexo à Torre do Tombo
Espécies de herbáceas identificadas no relvado anexo à Torre do Tombo

A nível da investigação destaca-se a utilização de líquenes arbóreos como organismos de validação da qualidade do ar no âmbito do projeto RESPIIRA, por serem muito sensíveis à poluição atmosférica (bioindicadores).

A biodiversidade no campus é ainda utilizada como meio de divulgação dos valores naturais nacionais usando-se para o efeito um conjunto de árvores de espécies nativas plantadas nos espaços verdes de Ciências, as quais estão georreferenciadas e devidamente identificadas.

Para a promoção da observação e monitorização da biodiversidade no campus e áreas verdes envolventes como um projeto de Ciências, no portal da sustentabilidade será disponibilizada em breve mais informação.